segunda-feira, 19 de maio de 2014

Faça-se um favor, revise seu texto!

Existem dois tipos de pessoas: aquela que é paranoica com revisões e aquela que não revisa o suficiente. A qual categoria você pertence? Antes de responder saiba que estes extremos são prejudiciais ao seu texto.

A palavra chave aqui é “extremos”. Escritores são membros de uma raça diferente. Existem tantas variações de comportamento, técnica, abordagem e linguagem que às vezes penso que somos uma raça de “raças distintas”.

Fazendo uma rápida pesquisa você vai encontrar, por exemplo, o escritor que senta na frente do computador e começa a digitar sem nem saber muito bem o que está escrevendo. Teve uma ideia para uma personagem interessante e decidiu produzir alguma coisa em torno daquela personagem. Conto? Poema? Romance? Ninguém sabe. Mais tarde ele vai definir.

Tem aquele, claro, do outro lado do oceano que anota tudo, sabe tudo, tem planejado cada detalhe de cada cena de cada capítulo. Ele só vai começar a efetivamente escrever depois que estiver satisfeito com seu plano e souber exatamente de onde está saindo e para onde está indo.

Com revisões acontece a mesma coisa. Você vai encontrar aqueles que, com o ponto final do último parágrafo declaram o texto pronto. Não querem mais saber de nada, só de começar o próximo texto. “É para isto que existe revisor e editor” é a desculpa mais freqüente. Digo já: não. Não é para isto que revisores e editores trabalham. Você, como escritor, tem que fazer a sua parte.

Existe também, no outro extremo, aquele escritor que vai terminar a primeira cena do primeiro capítulo e vai revisar o texto. Aí ele revisa de novo. Espera uma semana e revisa de novo. Mais uma semana e revisa de novo. Mais uma semana e… adivinhou… ele revisa de novo. Enquanto isto todo o resto do livro está lá, em algum lugar da cabeça dele, juntando poeira. Ficando velho. Desbotado.

Evidente que existem milhares de variações de comportamento entre estes dois extremos. Qual é o melhor?
A alternativa

Mesmo que você não goste do estilo, é preciso dar a mão à palmatória:Stephen King sabe escrever. Ele produz muito. Em uma de suas obras,On Writing, ainda não traduzida para o português, ele conta que sempre que acaba de escrever um livro, procura desviar ao máximo sua atenção da obra. Ocupa-se com outras atividades, escreve contos, roteiros, viaja ou vai consertar a porta da cozinha que está rangendo.

Ele julga que o tempo ideal de espera entre terminar a produção e começar a revisar um texto é de três a quatro meses. O suficiente para que a ação e os personagens não morram na sua cabeça. O suficiente para você se afastar deles. O “seu tempo ideal” você vai encontrar com a prática. Mas deverá ser aquele em que sua memória pregue alguns truques em você.

Ou seja, você terá esquecido certas cenas e certos detalhes. Assim, quando você reler o material, o ideal é que você se surpreenda. Idiossincrasias deixadas de lado, com este tempo que você vai investir no seu livro, será mais fácil detectar seus próprios vícios de linguagem, incorreções, quebras na estrutura narrativa, incongruências na linha de tempo ou inverossimilhanças presentes nas atitudes dos personagens.

Já que não sou Stephen King, quanto tempo devo deixar o livro dormindo antes de revisar? Esta resposta é fácil: não sei. Você deverá encontrar seu próprio ritmo. Fiz diversas experiências ao longo dos anos. Em uma situação ideal adoraria deixar um romance de 300 páginas dormindo um ano na gaveta. Quando pegasse novamente na massa, a leitura seria absolutamente fresca, nova, cheirando a manhã de primavera. Mas quem disse que a gente vive em um mundo ideal?

Acho que o negócio é a gente fazer um acordo com a vida e com o resto do mundo e chegar a uma equação que satisfaça seu desejo de escrever algo perfeito e o de sua editora ou agente de tentar evitar que você seja açoitado em praça pública.

Tudo bem, tudo bem. Se aquele prazo serve para o senhor King, pode servir para a gente também. Vamos fazer um acordo: espere entre três a quatro meses antes de começar a se esbaldar em seu próprio texto, ok? A diferença, no final, será gritante.

Isto se aplica não só a romances, poemas ou contos. Estou falando aqui de relatórios, petições, avisos, memorandos, documentos em geral e até e-mails. Vamos lá, confesse. Você já recebeu um e-mail cheio de erros de digitação, ortografia e concordância não é? Como ficou na sua cabeça a imagem da pessoa que mandou a mensagem? Não ficou como um exemplo de competência. Tenho certeza. Sem contar que mandar estas mensagens ou documentos coalhados de erros é um desrespeito com as pessoas. Escreva, dê um tempinho, vá tomar um café, vá fazer xixi, depois volte, releia, corrija e só então, quando tiver certeza que está tudo certinho, envie a mensagem.
Como corrigir?

1 – Corretor ortográfico
O editor de texto mais popular, MSWord, tem seu próprio corretor ortográfico e gramatical. Se por acaso você não tem este arquivo no seu computador, pode adicionar um corretor ao seu navegador de internet. Se você utiliza o Internet Explorer o corretor mais popular é o ieSpell. Se o seu caso é o FireFox adicione um pacote de idioma.

Estas ferramentas são úteis especialmente se você está planejando ter um blog para a divulgação dos seus projetos ou se utiliza webmail para comunicação.

2 – Manualmente
Nada substitui a leitura! Corretores ortográficos ajudam a encontrar os erros mais óbvios, mas se você escreveu “nua” e queria dizer “lua”, o corretor automático não vai acusar o erro e, claro, seu leitores ficarão confusos. Sem contar que sua personagem pode acabar indo presa por atentado ao pudor… mas deixe para lá.

É óbvio que depois de trabalhar horas num texto, certos erros não são mais visíveis. Acabamos preenchendo lacunas da comunicação com o que achamos que dissemos e não com o que realmente escrevemos. Adoro estes dois macetes que facilitam a visualização destes erros.
Mude o tamanho da fonte ou margens para que o texto mude de lugar na página ou na tela do computador.
Imprima o texto. Em último caso, claro. Afinal não queremos desperdícios, certo?

3 – Leia em voz alta
Este método ajuda não só na correção do texto, mas também na avaliação da sua fluência e musicalidade. Dizer isso pode parecer etéreo ou misterioso, mas um texto que flue como música, sem dúvida, é muito mais agradável de ler.

A forma mais produtiva de fazer uma leitura em voz alta, é fazer isso com mais alguém ouvindo, ajudando a verificar o ritmo, o sentido e a fluidez do texto. Mas se for necessário fazê-lo sozinho, o fato de ouvir a própria voz já faz uma grande diferença. Ler em voz alta força com que você olhe e leia todas as palavras, facilitando ainda mais a detecção de algum erro ou incongruência.

4 – Deixe o texto dormir e faça os passos 1 2 e 3 novamente

Quando temos tempo para fazer isso, a qualidade resultante dessa revisão é inegável! Cuide apenas para não se tornar vítima da obra eternamente revisada e nunca publicada.

5 – Contrate alguém para revisar para você

Certamente, contratar um revisor profissional é um passo fenomenal para a qualidade final do seu texto. O ideal é encontrar um revisor que não só corrija ortografia, mas que também coloque em cheque suas manias e vícios de escritor, como a repetição de certas palavras ou construções. Lembro da primeira análise que a corretora do meu primeiro romance me mandou: as páginas estavam absolutamente recheadas de notas. E percebi de cara um dos meus muitos vícios. Cada vez que, no livro, dois eventos eram relacionados por um nexo causal, para mim o segundo evento acontecia “em virtude” do que aconteceu no primeiro. O livro de 293 páginas tinha mais de 150 repetições da expressão. Nem eu mesmo sei como fui capaz de fazer algo daquele jeito. Na época ela brincou: “este sim é um livro cheio de virtudes”.

Pode ser que, profissionalmente, você não tenha tempo de deixar o texto dormir. Às vezes, não dá tempo nem de uma soneca. Mas releia o material com atenção e, faça um favor para seus leitores: passe o corretor ortográfico!

Fábio Marchioro

Dicas de produtividade de um escritor

Faça o que eu faço. Se quiser…

Se você gosta de escrever contos ou romances acho que vai gostar do que relaciono abaixo. São algumas das práticas que, como escritor, adoto no dia-a-dia. São também hábitos profissionais positivos de outros escritores que acabei incorporando na minha atividade. Mas lembre: não são verdades absolutas. Funcionam para mim.

Já ouviu aquela história de que um marceneiro sempre tem um martelo ou serrote preferido? O mesmo acontece com advogados, médicos, engenheiros e mecânicos. Não vamos nem falar em chefes de cozinha e suas facas. Com a experiência aparecem pequenas idiossincrasias que afetam, às vezes para melhor e às vezes para pior, o trabalho do profissional. O uso de certas ferramentas ou determinadas práticas podem determinar, em longo prazo, o sucesso ou o fracasso de um projeto.

Por exemplo, por muitos anos eu só conseguia sentar para escrever depois de lavar a louça, limpar o banheiro dos gatos, colocar a roupa para lavar e tomar banho. Esta preparação (doentia, eu sei) tomava em torno de 90 minutos. Com freqüência eu gastava mais tempo me preparando do que escrevendo (eu sei, eu sei, não diga nada). O resultado é óbvio: muito tempo investido e pouca produtividade.

Se o seu negócio é escrever hai kais o tempo total de edição será provavelmente menor do que aquele para escrever um livro de 300 páginas. Mas se todo dia antes de escrever você cumpre um ritual que demora duas horas, o tempo total de edição vai ficando ridiculamente longo. O que acontece então com o tal livro de 300 páginas? Exato, demora anos para ser terminado.

Vamos fazer um acordo? Analisando friamente, não faz diferença na qualidade de seu texto se sobre a pia estão empilhados dois ou três pratos. Não vou processar você se suas roupas forem lavadas somente no final da tarde e as xícaras do café da manhã não gritam e se suicidam no chão da cozinha se você deixá-las lá sozinhas por mais uma hora.

Então vá escrever, ok? Mas antes dê uma olhada não nas manias, mas nas práticas positivas que escritores adotam em pesquisa, técnicas gerais, revisão, divulgação e outras fundamentais para o sucesso do manuscrito.

Pesquisa
Deixe que outros façam certas pesquisas para você. É possível encontrar informações valiosas com agentes de viagens, em panfletos, com bibliotecários e donos de lojas.
Dependendo do texto que você esteja escrevendo, talvez seja necessário fazer entrevistas. Faça então uma lista com os nomes de todos as pessoas que você vai entrevistar, separando-as em categorias como: fontes oficiais, especialistas e fontes acadêmicas que desenvolvem estudos ou trabalhos na área de seu interesse. Depois, entreviste “pessoas reais” que são afetadas direta ou indiretamente pelo assunto que você está pesquisando.
Quando for realizar entrevistas, leia o máximo que puder sobre o assunto e leve suas perguntas por escrito. Comece com perguntas mais fáceis, para ir “aquecendo” a pessoa. Termine com as perguntas que podem perturbar ou até enraivecer o entrevistado.
Quando for marcar um horário para entrevistar alguém, esteja pronto caso a pessoa diga: – Ok, vamos fazer a entrevista agora.
Se você estiver com dificuldades para fazer aquele primeiro rascunho, faça o seguinte: leia a respeito do assunto. Tome notas. Leia de novo, prestando atenção para “o que não está ali”.
Faça pesquisas em bibliotecas, na Internet e/ou entrevistando pessoas. Quando as informações começarem a soar repetitivas, chegou na hora de parar a pesquisa.
Arquive suas anotações e informações imediatamente. Use um sistema funcional de organização para suas anotações, seja em computador ou fichas de arquivo: nada é mais frustrante e desgastante do que passar horas procurando uma informação que você “achava que estava lá”.
Leia e releia suas anotações. Sublinhe as partes mais importantes. Faça um esquema. Depois detalhe o esquema. Transforme este esquema detalhado em um resumo. Desenvolva o resumo. Mas lembre-se que vai chegar um momento em que você vai ter que escrever o texto propriamente dito.
Quando estiver escrevendo uma história complicada, faça um roteiro resumido das cenas. Se ainda assim estiver perdido, escreva as cenas resumidamente em pequenas fichas e espalhe tudo na sua frente. Assim você terá uma visão de conjunto da sua obra, facilitando a análise da seqüência de cenas e capítulos.
Sempre escreva uma “primeira versão”. Não crie desnecessariamente a imensa pressão de escrever sua “obra prima” assim que seus dedos toquem no teclado.
Com freqüência sua “primeira versão” poderá ser muito longa. Não tenha medo de cortar palavras, parágrafos e até cenas inteiras. Tirar um personagem do livro não é o mesmo que matar um amigo. Você acaba esquecendo e usando “o amigo” em outra situação. Mas use o bom senso. Em ficção, muitas vezes, menos é mais.
Quando estiver satisfeito com seu texto, verifique todos os fatos. Duas vezes.

Técnicas
Nunca… nunca jogue fora as suas anotações de pesquisas.
É muito importante saber escrever diálogos. Como um exercício, reproduza uma linha de diálogo que você tenha ouvido em qualquer lugar. Em seguida faça com que a conversa “caminhe”, não importa para que lado.
Abra um dicionário e escolha uma palavra qualquer. Escreva uma pergunta usando esta palavra e depois escreva a resposta.
Ao escrever um diálogo, analise as falas do ponto de vista da personagem, do local e do enredo. Depois faça-se as seguintes perguntas: Quem está dizendo isto, como é esta personagem fisicamente e qual sua ocupação? Porque esta personagem diria algo assim? Qual é a emoção dominante desta personagem neste momento? O que fez esta personagem dizer isto? Com quem ela estava conversando? Quais são os objetivos específicos desta cena? Quais são os sons e odores ambientes que seriam capazes de influenciar esta conversa? Este diálogo evidencia algum traço importante da personagem que contribui de alguma forma para o andamento do enredo? Se estas perguntas tiverem respostas insatisfatórias, repense o uso do diálogo e até da cena como um todo.
Escreva “resmas” de diálogos. É muito melhor na hora da revisão final ter à sua disposição várias opções e poder dar-se ao luxo de escolher entre as melhores.
Os textos que você produz não são como seus filhos: intocáveis, puros e perfeitos. Se alguém lhe der sugestões, ouça todas. Descarte o que não for útil e use o resto.

Revisão
Contrate um profissional para corrigir seu texto. Você não terá dificuldades para encontrar um professor de língua portuguesa ou literatura que, mediante um valor previamente acordado, corrija seus originais e converse com você sobre o livro como um todo. Dê preferência para professores universitários dos cursos de letras ou jornalismo. Pagar até US$ 1,50 por página é razoável.
Lembre-se que o papel do editor não é só publicar seu livro. Ele tem direito (e provavelmente fará uso dele) para editar seu texto. Isto é: ele poderá sugerir e mesmo fazer alterações. Poderá até condicionar a publicação a certas alterações.
Nunca mande textos para análise sem antes revisar o material em uma cópia impressa.
Quando o texto estiver terminado, afaste-se dele. Fique algum tempo sem ler nada sobre o assunto. Pelo menos dois meses. É o suficiente para você criar um distanciamento em relação à sua criação. Você terá “esquecido” certas partes. Arme-se então do mais afiado senso crítico e aborde o texto como um pirata, pronto a cortar, eliminar, saquear e só levar consigo o que é realmente bom e valioso.

Divulgação
Mantenha uma agenda atualizada com os nomes e os telefones e/ou e-mails de todas as pessoas que você precisou entrevistar para produzir seu texto.
É imperativo que você inclua nos agradecimentos do seu livro uma menção a todas as pessoas que você entrevistou. É também muito bom mencionar aqueles que leram o original antes do livro ser publicado.
Deixe seu revanchismo de fora dos agradecimentos e dedicatórias. Publicar uma obra deverá ser mais do que suficiente para apagar de sua memória os desgostos, os sorrisos velados e os comentários à meia voz pelas suas costas. Você não precisa carregar o resto da vida o peso das pessoas que não acreditavam em você.

Fundamental
“Ouça” sua intuição. Ela é como uma amiga fiel. Se você a trair vai se arrepender amargamente.
Não confie só no seu computador.
Não faça backups só em meios eletrônicos. Além de CDs, DVDs, arquivos virtuais em servidores na internet e flash drives, que tal imprimir seus textos de vez em quando?
Tenha cópias (mesmo que seja só em meios eletrônicos) das diversas fases do seu processo. E mantenha cópias em lugares diferentes de onde fica o seu computador. Seguro morreu de velho… e tranqüilo, com cópias de segurança do seu trabalho.

Fábio Marchioro

Afinal, revisar por quê?

Imagine alguém que goste (e entenda) muito de risoto. Nosso gourmand vai a um restaurante de grande prestígio, cuja cozinha é dirigida por um chef de renome internacional, e pede seu prato predileto: risoto de camarão. Ao recebê-lo na mesa, tudo parece perfeito: o aroma, a textura do camarão, os condimentos, o gosto delicioso… Entretanto, enquanto refestela o paladar, mastigando o arroz cozido no ponto perfeito, nosso personagem encontra, cá e lá, de vez em quando, uma pedrinha. As incômodas mordidas nos pedacinhos duros certamente o irritariam a ponto de ele desqualificar o cozinheiro e nunca mais voltar ao restaurante, por mais refinado que fosse o sabor da iguaria, por maiores que fossem as qualidades dos ingredientes.

É isso que pode acontecer quando um leitor qualificado se depara com um texto agradável, fluente, saboroso… mas que, cá e lá, dez vez em quando, deixa escapar “errinhos de português”. Esses erros são pedrinhas no risoto, e dificilmente o leitor que seja bom conhecedor da língua deixará de considerá-los um ponto bastante negativo ao avaliar o texto.

Um bom escritor é sempre um bom manipulador da língua. Ainda que não conheça de cor e salteado as regras gramaticais, ele sabe empregar adequadamente o idioma, mesmo que intuitivamente. E os grandes literatos que “torceram” as regras do português (imediatamente me vem à ideia Guimarães Rosa) sabiam exatamente o que estavam fazendo.

Claro que mesmo bons escritores estão sujeitos a pequenos deslizes na escritura de um texto. É por isso que, sábios e humildes, recorrem aos revisores – funcionários da palavra que, ainda quando não tenham o estro literário, sabem identificar pequenas ervas daninhas insinuando-se no trigal do texto.

Há um bem sucedido escritor brasileiro que, segundo consta, não admitia (ao que parece, por razões místicas) que seus escritos fossem revisados. Graças a isso, são facilmente encontráveis erros evidentes em seus primeiros livros. Repetindo no exterior o sucesso nacional, tal autor alcançou celebridade muito maior do que seus escritos lhe haviam dado, a princípio, em solo pátrio: os textos bem vertidos para línguas estrangeiras certamente não continham erros. Deu então a mão à palmatória o escritor, passando a permitir a “intromissão” de revisores no seu texto, o que melhorou a qualidade de seus livros.

Já o autor brasileiro mais premiado em anos recentes, Cristóvão Tezza, tem um impecável domínio do idioma. Tal qualidade faz com que suas obras possam dar ao leitor um grande prazer apenas na consideração da perfeição da escrita, independentemente da história. Certamente consciente disso, Tezza chegou a incluir em algumas histórias páginas que pouco contribuem para a construção da trama e parecem estar nelas apenas para dar ao leitor o deleite do texto primoroso.

Quaisquer que sejam o objetivo e o estilo do texto (literário, técnico, científico, burocrático…), é legítimo que o leitor espere, pelo menos, um uso correto do idioma. E também é certo que a ausência de erros já eleva a qualificação daquilo que se escreve. Portanto, senhores autores, façam boamente uso do trabalho do revisor, que colocará seu esforço e seu conhecimento a serviço da boa qualidade do texto, ajudando o leitor a sorvê-lo na autenticidade de seu sabor, sem incômodos de forma que possam aviltar o estilo.

Tomás Barreiro

Seja criativo em 5 voos

A criatividade aflora quando mudamos o padrão, variamos o ângulo, quando vamos além da primeira resposta e procuramos alternativas.

Ela é mãe. E também madrasta. Quando menos esperamos, lá vem ela em toda sua glória. Indica o caminho, ilumina a escalada, elimina nossas dúvidas e nos incentiva quando desanimamos. Por outro lado, na noite mais escura, do lugar mais isolado, do poço mais profundo, certas vezes ela não escuta nosso pedido de ajuda.

Qual a alternativa? Tomar as rédeas desta carruagem desgovernada e conduzi-la da forma que acharmos mais apropriada. Existe saída deste beco. Mas primeiro precisamos levar em consideração que os sentidos humanos estão programados para discernir diferenças. Por exemplo: você é convidado para um churrasco na casa de um amigo. Quando chega lá, sente o cheiro da carne assando. Sua boca começa a salivar. Você escuta o filé mignon fazendo aquele ruído… ssssssss… na grelha. A casa inteira está tomada pelo aroma da carne sendo preparada.

No entanto, dez minutos depois o “perfume” desapareceu. Você não sente mais o cheiro da carne na churrasqueira. O mesmo acontece com ruídos, estímulos táteis ou qualquer outra manifestação externa que bombardeie seus sentidos. Se a manifestação for contínua, ela não será mais percebida. Mais um exemplo: pare tudo e escute o barulho do tráfego lá fora.

Percebeu? Os motores, as buzinas e o ruído dos pneus no asfalto estavam lá o tempo todo. Mas você não estava mais ouvindo porque não estava mais prestando atenção. Não é à toa que este tipo de barulho é chamado de ruído branco. É o estímulo (a TV lá na sala, o cachorro do vizinho, aquela dorzinha nas costas que nunca vai embora) que nossa consciência administra jogando lá para o fundo, onde, em tese, não incomodaria mais.

Todos precisamos de pelo menos algumas constantes na nossa vida. Nem que seja uma sombra de rotina para podermos viver em sociedade. Se você fizer tudo diferente, o tempo todo, todos os dias em todos os lugares, o diferente se transforma na rotina. Por outro lado a rotina massacrante também anestesia os sentidos. Qual o caminho? Como sempre, o do meio. O do bom senso.

E a alternativa para dar esta cutucada na criatividade é quebrar o padrão. Esquecer o normal. Abandonar, inclusive, por alguns minutos, o que as pessoas chamam de “razão”.

Não posso dar receitas de bolo de como resolver este problema, mesmo porque somos todos muito diferentes. Mas posso dizer o que funciona comigo. Sinto que, às vezes, preciso “inspirar” a inspiração. Ela é preguiçosa por natureza (aliás, como eu) e precisamos fazer nossa parte. Quando ela está ocupada lidando com outros problemas, normalmente faço o seguinte:
Converso com nossas gatinhas – temos duas gatinhas, Miadóra e Shypelanca. Invento diálogos com elas. Converso, debato, argumento, faço os dois lados da discussão. Claro que esta técnica serve também para cachorros, passarinhos, coelhos e outros seres vivos. Até bebês.
Invento letras absurdas para melodias de músicas que gosto – Ou ainda invento minhas próprias melodias. Claro, não tenho um dom musical, então você pode imaginar como minhas músicas soam. Isto funciona especialmente quando estou fazendo tarefas maçantes ou repetitivas. O problema é que não consigo combinar os dois exercícios, pois quando começo a cantar, as gatas desaparecem.

As próximas 3 “técnicas” (são brincadeiras, na verdade) também funcionam muito bem.
Faça caretas na frente do espelho. E não se preocupe se alguém pegar você em flagrante. Faça mais uma careta dirigida ao invasor! É interessante ver seu rosto de forma diferente.
Mude de posição. Sente de trás pra frente na cadeira. Mude a cadeira de posição. Mude a mesa de posição. Vá escrever no jardim, na sacada, na escada, debaixo da mesa, dentro do box do chuveiro (com ele desligado, por favor). Inverta coisas, práticas e modelos. Subverta seu local de trabalho.
Faça de conta que você é uma figura histórica ou mitológica. Pode ser um ex-presidente, o Hércules, Sócrates ou até figuras como Papai Noel ou o Coelho da Páscoa. Qualquer personagem serve. Que tal um super-herói? Como você resolveria seus problemas, os problemas de outras pessoas ou ainda os problemas do mundo se você tivesse um super poder?

Se quiser ler mais a respeito, aqui estão alguns livros relacionados ao assunto.

Em Espere o Inesperado (ou você não o encontrará), Roger von Oech utiliza trinta epigramas de Heráclito como trampolins para impulsionar a criatividade. Ao usar cada máxima como uma fonte de inspiração, ele nos proporciona passagens divertidas, enigmas desafiadores e perguntas intrigantes formuladas para derrubar velhos hábitos mentais e incendiar a imaginação. O autor mostra como reverter nossas expectativas, conduzir a mudança a nosso favor, criar metáforas poderosas e evitar a armadilha do “mais” , ou seja, supor que mais é sempre melhor para resolução de problemas. Todas as pessoas que buscam novos métodos para a resolução de problemas – administradores, estudantes, artistas – encontrarão neste livro uma ferramenta de inestimável valor. Quer você o leia como um manual de criatividade, quer use os insights como uma forma de meditação matinal ou consulte-o diariamente como um oráculo. Esta obra dará uma saudável sacudida na sua imaginação.(fonte: Submarino)

Este livro contém uma importante mensagem: a de que a criatividade pode ser cultivada por todos – crianças e adultos, empresas e comunidades inteiras. Como você pode liberar o seu espírito criativo e usá-lo para melhorar a qualidade da sua vida? Este livro o leva a conhecer o processo criativo, fazendo-o entender os reinos da intuição e do “fluxo criativo”, onde os nossos esforços estão perfeitamente à altura da tarefa que temos em mãos. Ele oferece uma série de exercícios práticos para aumentar sua criatividade e desfazer hábitos preconceituosos de pensamento, e leva você numa viagem ao redor do mundo contando-lhe histórias inspiradoras sobre o espírito criativo em ação: Uma escola revolucionária italiana mostra como liberar a criatividade das crianças. O gênio cômico Chuck Jones, lendário criador do coelho Pernalonga, explica por que “a ansiedade é a serva da criatividade”. Uma inovadora fábrica sueca abre mão da hierarquia e revela todos os segredos da empresa aos funcionários. Uma igreja urbana norte-americana usa a antiga arte da escultura para ajudar na reconstrução de uma comunidade. Repleto de humor e dos altos e baixos da criatividade, O Espírito Criativo nos encoraja a investir na paixão, na persistência e na disposição de correr riscos que podem nos fazer sentir a alegria de viver.(fonte: Submarino)

Ao expor e questionar o mito da criatividade, o autor demonstra, em prosa ágil, bem-humorada e competente, que ela é um produto bem mais acessível do que se imagina. Antes de ser uma dádiva divina, é fruto do trabalho gradual e da dedicação apaixonada de cada um de nós. Para provar, Zugman investiga a vida e o pensamento de uma série de personagens e personalidades reconhecidamente criativas: Darwin, Freud, Einstein, Batman, Da Vinci e até o célebre governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger. Uma viagem cultural imperdível.(fonte: Submarino).

Fábio Marchioro

Os erros mais comuns


Depois de anos revisando monografias, teses de doutorado, dissertação de mestrado, artigos científicos e livros, quando me perguntam quais os erros encontrados com mais frequência nesses textos, tenho dificuldade de responder.

Na verdade, a gama de erros é variada. Em termos de quantidade, sem dúvida, levam o “prêmio” a pontuação e a acentuação. Mas estes são, geralmente, erros menos relevantes, muitas vezes resultantes de distração ou de problemas de digitação. Dentre os deslizes mais graves, são comuns as falhas de concordância nominal e verbal. A impropriedade vocabular não é evento dos mais numerosos, mas aparece sempre – todo texto tem um ou outro vocábulo empregado impropriamente. Por fim, há os erros na estrutura da frase, que muitas vezes acabam por gerar sentenças ininteligíveis.

Nos textos técnicos que exigem conhecimento específico distante do repertório do revisor, obviamente, a revisão é focada especificamente no aspecto formal – entretanto, uma frase mal estruturada, ainda que trate de tema que fuja ao domínio do revisor, não passará despercebida. Nesse caso, o revisor apontará o problema e solicitará ao autor que deixe claro o sentido da frase.

Deve-se ressaltar que cada texto tem seu público e sua intenção. O revisor precisa levar isso em conta na “calibragem” do seu trabalho. Afinal, o texto é uma peça de comunicação, e sua eficácia como tal está ligada ao público-alvo e ao objetivo comunicacional. A língua é viva, e muitas de suas regras não são rigidamente delimitadas. Um maior ou menor rigor formal depende do tipo de texto. Há muitos usos da língua que há pouco poderiam ser qualificados como “erro” e hoje são perfeitamente aceitas.

Nos meus trabalhos, em princípio, tendo a fazer uma revisão mais “purista”, salvo se houver tratativa em contrário com quem encomenda o trabalho. De qualquer modo, convém ter presente que nenhuma revisão é absolutamente “perfeita” – não apenas porque é feita por um ser humano, sujeito, portanto, a erros, mas porque uma visão excessivamente “rigorista” sempre encontrará algo a melhorar. Aliás, isso se aplica tanto à forma quanto ao conteúdo. Lembro-me de uma experiência muito curiosa: eu fazia a revisão dos textos de um escritor que publicava livros especializados sobre temas de religião e sociologia. Cada vez que eu entregava os originais revisados, ele acrescentava algo ao texto, que depois me devolvia para nova revisão – e assim sucessivamente, várias vezes, até que ele decidia não mexer mais no trabalho, vencido pelo cansaço. “Revise e não me devolva mais, passe direito ao editor”, dizia ele.

Conta-se que o célebre escritor francês Edmond Rostand era absolutamente obcecado na busca da perfeição de seus escritos. Ele revia e revia e aperfeiçoava seu texto até o limite do absurdo. Seu fantástico “Cyrano de Bergerac” – texto para teatro encenado incontáveis vezes, filmado por vários diretores e parodiado infinitamente – é um exemplo dessa obsessão: de construção magnífica, tornou-se uma das obras-primas da literatura ocidental (de passagem: está entre meus livros preferidos, bem como o filme, baseado nele, dirigido porJean-Paul Rappeneau e estrelado por Gerard Depardieu). Não é preciso, evidentemente, essa obsessão. Mas um texto bem escrito, em português correto, é condição necessária para que o escritor consiga portar altivamente seu panache.

Tomás Barreiro

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Normas para elaboração de uma resenha - 2014

Definições 

Resenhar significa resumir, sintetizar, destacar os pontos principais de uma obra científica. 

Resenha é a apreciação de uma obra de forma avaliativa e crítica, apresentando suas linhas de pesquisa sintetizadas em conteúdos relevantes para o entendimento do leitor. 

Trata-se de um trabalho acadêmico que contém a apresentação do conteúdo de um livro ou artigo e sua apreciação crítica. 

Fazer uma resenha é o mesmo que fazer uma recensão (que significa apreciação breve de um livro ou de um escrito), ou seja, trata-se de resumir de maneira clara e sucinta um livro, artigo ou qualquer tipo de texto científico. 

Resenha é a apresentação do conteúdo e um obra. Consiste na leitura, no resumo e na critica, com o intuito de formular um conceito sobre o material. 

Objetivos 

Destacar o tema principal abreviando o tempo do leitor na identificação do assunto, argumentado e articulado pelo resenhista. 

Tem o objetivo de estimular o aluno a compreender e criticar. 

Roteiro para elaboração de uma resenha: 

a- Uma leitura global da obra; 
b- Segunda leitura, no entanto mais analítica, levantando (selecionando) as idéias e argumentos do autor; 
c- Sintetização dos dados selecionados; 
d- Posicionamento crítico para construção da resenha; 
e- Pesquisa, se necessário, para facilitar as argumentações; 
f- Produção do texto propriamente dita. 

Dados a serem apresentados em uma resenha: 

Toda resenha deve ser, o mais bem identificada possível, daí, devem constar: 

 O título (ou cabeçalho contendo o nome da instituição de ensino, título da resenha com identificação do texto resenhado, autor/a da resenha, objetivo do trabalho, local e data) 

 A referência bibliográfica da obra (citação completa da fonte, podendo constar alguns dados bibliográficos do autor da obra resenhada ). 

 Texto dissertativo: Síntese do conteúdo caracterizando a área do conhecimento e o objetivo do autor. (Introdução, corpo principal do texto - uma breve análise estrutural, ou seja, apresentação global do conteúdo e conclusão com apreciação crítica). 

 A avaliação crítica, argumentativa, fundamentada em pesquisas bibliográficas e/ou na própria obra; posicionamento final quanto ao artigo em si; que deverá levar em consideração os seguintes pontos: 

- Conteúdo, objetivo(s) e destinatário(s) 

- Plano estrutural e desenvolvimento lógico da temática. 

- Linguagem, vocabulário e estilo do autor. 

- Valor do texto para determinada área de conhecimento. 

 Referências bibliográficas de acordo com a ABNT. 

Apresentação Gráfica 

 Papel A4 (210x297) 
 Margens: Margem superior e esquerda 3 cm; Inferior e direita 2 cm. 
 Caracteres (fontes): Arial, tamanho 12; 
 Títulos e subtítulos: no mesmo tamanho, em negrito e/ou sublinhado; 
 Espaçamento: 1,5 entre linhas para todo texto e nas referências: simples. 

CONSIDERAÇÕES: 

Antes de começar a escrever a resenha devemos nos certificar de ter feito uma boa leitura do texto. 
O autor da resenha deve possuir um conhecimento sobre o assunto abordado, uma vez que se prestará a dar opinião formada fundamentada na própria obra ou outras bibliografias. 
Primeiro deve-se resumir o assunto e ressaltar as falhas sem entrar em detalhes, pois o objetivo é informar. 
A resenha deve cumprir um objetivo claro: comunicar ao leitor os aspectos essenciais da obra em questão e situá-lo no assunto da melhor maneira possível. 
O texto deve ser claro, inteligível e dinâmico. O/A leitor/a deve ter prazer nesta leitura e deve sentir-se convidado/a à leitura do texto resenhado. 
A estrutura geral de uma resenha não se difere de um texto dissertativo, na qual se observa uma introdução, o desenvolvimento e as considerações finais, sempre recalcadas, no entanto, nas opiniões críticas do autor, embasadas em argumentos de certa originalidade, coerência e profundidade. 
Caso haja necessidade de citação do próprio texto resenhado, isso deve ser feito entre aspas e/ou em destaque. Sempre deve haver referência bibliográfica. 

Obs.: Para as resenhas realizadas em sala de aula e escritas à mão, desconsiderar a apresentação gráfica apresentada.

Como elaborar artigo científico 2014










quinta-feira, 10 de abril de 2014

Invictus

Invictus é um pequeno poema do poeta Inglês William Ernest Henley (1849-1903). Ele foi escrito em 1875 e publicado pela primeira vez em 1888.
Nelson Mandela citou-o como fonte de inspiração durante seu tempo na prisão.

Do avesso desta noite que me encobre,
Preta como a cova, do começo ao fim,
Eu agradeço a quaisquer deuses que existam,
Pela minha alma inconquistável.
Na garra cruel desta circunstância,
Não estremeci, nem gritei em voz alta.
Sob a pancada do acaso,
Minha cabeça está ensanguentada, mas não curvada.
Além deste lugar de ira e lágrimas
Avulta apenas o horror das sombras.
E apesar da ameaça dos anos,
Encontra-me, e me encontrará destemido.
Não importa quão estreito o portal,
Quão carregada de punições a lista,
Sou o mestre do meu destino:
Sou o capitão da minha alma.


A internet é perigosa para o ignorante e útil para o sábio

Em 2011, aos 80 anos, Umberto Eco concedeu uma entrevista à revista Época onde comentou sobre os prós e contras da internet como ferramenta formadora de indivíduos leitores críticos e/ou analfabetos funcionais. E sobre a acessibilidade do conhecimento possibilitada pela mesma. Confira abaixo a reprodução desta entrevista e não deixe de compartilhar conosco a sua opinião sobre o assunto.

ÉPOCA - Como o senhor se sente, completando 80 anos?

Umberto Eco - Bem mais velho! (Risos.) Vamos nos tornando importantes com a idade, mas não me sinto importante nem velho. Não posso reclamar de rotina. Minha vida é agitada. Ainda mantenho uma cátedra no Departamento de Semiótica e Comunicação da Universidade de Bolonha e continuo orientando doutorandos e pós-doutorandos. Dou muita palestra pelo mundo afora. E tenho feito turnês de lançamento de O cemitério de Praga. Acabo de voltar de uma megaexcursão pelos Estados Unidos. Ela quase me custou o braço. Estou com tendinite de tanto dar autógrafos em livros. 

ÉPOCA - O senhor tem sido um dos mais ferrenhos defensores do livro em papel. Sua tese é de que o livro não vai acabar. Mesmo assim, estamos assistindo à popularização dos leitores digitais e tablets. O livro em papel ainda tem sentido?

Eco - Sou colecionador de livros. Defendi a sobrevivência do livro ao lado de Jean-Claude Carrière no volume Não contem com o fim do livro. Fizemos isso por motivos estéticos e gnoseológicos (relativo ao conhecimento). O livro ainda é o meio ideal para aprender. Não precisa de eletricidade, e você pode riscar à vontade. Achávamos impossível ler textos no monitor do computador. Mas isso faz dois anos. Em minha viagem pelos Estados Unidos, precisava carregar 20 livros comigo, e meu braço não me ajudava. Por isso, resolvi comprar um iPad. Foi útil na questão do transporte dos volumes. Comecei a ler no aparelho e não achei tão mau. Aliás, achei ótimo. E passei a ler no iPad, você acredita? Pois é. Mesmo assim, acho que os tablets e e-books servem como auxiliares de leitura. São mais para entretenimento que para estudo. Gosto de riscar, anotar e interferir nas páginas de um livro. Isso ainda não é possível fazer num tablet. 

ÉPOCA - Apesar dessas melhorias, o senhor ainda vê a internet como um perigo para o saber?

Eco - A internet não seleciona a informação. Há de tudo por lá. A Wikipédia presta um desserviço ao internauta. Outro dia publicaram fofocas a meu respeito, e tive de intervir e corrigir os erros e absurdos. A internet ainda é um mundo selvagem e perigoso. Tudo surge lá sem hierarquia. A imensa quantidade de coisas que circula é pior que a falta de informação. O excesso de informação provoca a amnésia. Informação demais faz mal. Quando não lembramos o que aprendemos, ficamos parecidos com animais. Conhecer é cortar, é selecionar. Vamos tomar como exemplo o ditador e líder romano Júlio César e como os historiadores antigos trataram dele. Todos dizem que foi importante porque alterou a história. Os cronistas romanos só citam sua mulher, Calpúrnia, porque esteve ao lado de César. Nada se sabe sobre a viuvez de Calpúrnia. Se costurou, dedicou-se à educação ou seja lá o que for. Hoje, na internet, Júlio César e Calpúrnia têm a mesma importância. Ora, isso não é conhecimento. 


ÉPOCA - Mas o conhecimento está se tornando cada vez mais acessível via computadores e internet. O senhor não acha que o acesso a bancos de dados de universidades e instituições confiáveis estão alterando nossa noção de cultura?

Eco - Sim, é verdade. Se você sabe quais os sites e bancos de dados são confiáveis, você tem acesso ao conhecimento. Mas veja bem: você e eu somos ricos de conhecimento. Podemos aproveitar melhor a internet do que aquele pobre senhor que está comprando salame na feira aí em frente. Nesse sentido, a televisão era útil para o ignorante, porque selecionava a informação de que ele poderia precisar, ainda que informação idiota. A internet é perigosa para o ignorante porque não filtra nada para ele. Ela só é boa para quem já conhece – e sabe onde está o conhecimento. A longo prazo, o resultado pedagógico será dramático. Veremos multidões de ignorantes usando a internet para as mais variadas bobagens: jogos, bate-papos e busca de notícias irrelevantes. 

ÉPOCA - Há uma solução para o problema do excesso de informação?

Eco - Seria preciso criar uma teoria da filtragem. Uma disciplina prática, baseada na experimentação cotidiana com a internet. Fica aí uma sugestão para as universidades: elaborar uma teoria e uma ferramenta de filtragem que funcionem para o bem do conhecimento. Conhecer é filtrar.

ÉPOCA - O senhor já está pensando em um novo romance depois de O cemitério de Praga?

Eco - Vamos com calma. Mal publiquei um e você já quer outro. Estou sem tempo para ficção no momento. Na verdade, vou me ocupar agora de minha autobiografia intelectual. Fui convidado por uma instituição americana, Library of Living Philosophers, para elaborar meu percurso filosófico. Fiquei contente com o convite, porque passo a fazer parte de um projeto que inclui John Dewey, Jean-Paul Sartre e Richard Rorty - embora eu não seja filósofo. Desde 1939, o instituto convida um pensador vivo para narrar seu percurso intelectual em um livro. O volume traz então ensaios de vários especialistas sobre os diversos aspectos da obra do convidado. No final, o convidado responde às dúvidas e críticas levantadas. O desafio é sistematizar de uma forma lógica tudo o que já fiz...

ÉPOCA - Como lidar com tamanha variedade de caminhos?

Eco - Estou começando com meu interesse constante desde o começo da carreira pela Idade Média e pelos romances de Alessandro Manzoni. Depois vieram a Semiótica, a teoria da comunicação, a filosofia da linguagem. E há o lado banido, o da teoria ocultista, que sempre me fascinou. Tanto que tenho uma biblioteca só do assunto. Adoro a questão do falso. E foi recolhendo montes de teorias esquisitas que cheguei à ideia de escrever O cemitériode Praga.

ÉPOCA - Entre essas teorias, destaca-se a mais célebre das falsificações, O protocolo dos sábios de Sião. Por que o senhor se debruçou sobre um documento tão revoltante para fazer ficção?

Eco - Eu queria investigar como os europeus civilizados se esforçaram em construir inimigos invisíveis no século XIX. E o inimigo sempre figura como uma espécie de monstro: tem de ser repugnante, feio e malcheiroso. De alguma forma, o que causa repulsa no inimigo é algo que faz parte de nós. Foi essa ambivalência que persegui em O cemitério de Praga. Nada mais exemplar que a elaboração das teorias antissemitas, que viriam a desembocar no nazismo do século XX. Em pesquisas, em arquivos e na internet, constatei que o antissemitismo tem origem religiosa, deriva para o discurso de esquerda e, finalmente, dá uma guinada à direita para se tornar a prioridade da ideologia nacional-socialista. Começou na Idade Média a partir de uma visão cristã e religiosa. Os judeus eram estigmatizados como os assassinos de Jesus. Essa visão chegou ao ápice com Lutero. Ele pregava que os judeus fossem banidos. Os jesuítas também tiveram seu papel. No século XIX, os judeus, aparentemente integrados à Europa, começaram a ser satanizados por sua riqueza. A família de banqueiros Rotschild, estabelecida em Paris, virou um alvo do rancor social e dos pregadores socialistas. Descobri os textos de Léo Taxil, discípulo do socialista utópico Fourier. Ele inaugurou uma série de teorias sobre a conspiração judaica e capitalista internacional que resultaria em Os protocolos dos sábios do Sião, texto forjado em 1897 pela polícia secreta do czar Nicolau II.

ÉPOCA - O senhor considera os Procotolos uma das fontes do nazismo?

Eco - Sem dúvida. Adolf Hitler, em sua autobiografia, Minha luta, dava como legítimo o texto dos Protocolos. Hitler tomou como verdadeira uma falsificação das mais grosseiras, e essa mentira constitui um dos fundamentos do nazismo. A raiz do antissemitismo vem de muito antes, de uma construção do inimigo, que partiu de delírios e paranoias.

ÉPOCA - O personagem de O cemitério de Praga, Simone Simonini, parece concentrar todos os preconceitos e delírios europeus do século XIX. Ele é ao mesmo tempo antissemita, anticlerical, anticapitalicas e antissocialista. Como surgiu na sua mente alguém tão abominável?

Eco - Os críticos disseram que Simonini é o personagem mais horroroso da literatura de todos os tempos, e devo concordar com eles. Ele também é muito divertido. Seus excessos estão ali para provocar riso e revolta. No romance, Simonini é a única figura fictícia. Guarda todos os preconceitos e fantasias sobre um inimigo que jamais conhece. E se desdobra em várias personalidades: durante o dia, atua como tabelião falsificador de documentos; à noite, traveste-se em falso padre jesuíta e sai atrás de aventuras sinistras. Acaba virando joguete dos monarquistas, que se opõem à unificação da Itália, e, por fim, dos russos. Imaginei Simonini como um dos autores de Os protocolos dos sábios do Sião.

ÉPOCA - A falsificação sobre falsificações permitida pela ficção tornou o livro controverso. Ele tem provocado reações negativas. O senhor gosta de lidar com polêmicas?

Eco - A recepção tem sido positiva. O livro tem feito sucesso sem precisar de polêmicas. Quando foi lançado na Itália, ele gerou alguma discussão. O L'osservatore Romano, órgão oficial do Vaticano, publicou um artigo condenando os ataques do livro aos jesuítas. Não respondi, porque sou conhecido como um intelectual anticlerical - e já havia discutido com a igreja católica no tempo de O nome da rosa, quando me acusaram de atacar a igreja. O rabino de Roma leu O cemitério de Praga e advertiu em um pronunciamento que as teorias contidas no livro poderiam se tornar novamente populares a partir da obra. Respondi a ele que não havia esse perigo. Ao contrário, se Simonini serve para alguma coisa, é para provocar nossa indignação.

ÉPOCA - Além de falsário, Simonini se revela um gourmet. Ao longo do livro, o senhor joga listas e listas de receitas as mais extravagantes, que Simonini comenta com volúpia. O senhor gosta de gastronomia?

Eco - Eu sou MacDonald's! Nunca me incomodei com detalhes de comida. Pesquisei receitas antigas com um objetivo preciso: causar repugnância no leitor. A gastronomia é um dado negativo na composição do personagem. Quando Simonini discorre sobre pratos esquisitos, o leitor deve sentir o estômago revirado.

ÉPOCA - Qual o sentido de escrever romances hoje em dia? O que o atrai no gênero?

Eco - Faz todo o sentido escrever ficção. Não vejo como fazer hoje narrativa experimental, como James Joyce fez com Finnegan's Wake, para mim a fronteira final da experimentação. Houve um recuo para a narrativa linear e clássica. Comecei a escrever ficção nesse contexto de restauração da narratividade, chamado de pós-modernismo. Sou considerado um autor pós-moderno, e concordo com isso. Vasculho as formas e artifícios do romance tradicional. Só que procuro introduzir temas que possam intrigar o leitor: a teoria da comédia perdida de Aristóteles em O nome da rosa; as conspirações maçônicas em O pêndulo de Foucault; a imaginação medieval em Baudolino; a memória e os quadrinhos em A misteriosa chama; a construção do antissemitismo em O cemitério de Praga. O romance é a realização maior da narratividade. E a narratividade conserva o mito arcaico, base de nossa cultura. Contar uma história que emocione e transforme quem a absorve é algo que se passa com a mãe e seu filho, o romancista e seu leitor, o cineasta e seu espectador. A força da narrativa é mais efetiva do que qualquer tecnologia.

ÉPOCA - Philip Roth disse que a literatura morreu. Qual a sua opinião sobre os apocalípticos que preveem a morte da literatura?

Eco - Philip Roth é um grande escritor. A contar com ele, a literatura não vai morrer tão cedo. Ele publica um romance por ano, e sempre de boa qualidade. Não me parece que nem o romance nem ele pretendem interromper a carreira (risos).

ÉPOCA - Mas por que hoje não aparecem romancistas do porte de Liev Tolstói e Gustave Flaubert?

Eco - Talvez porque ainda não os descobrimos. Nada acontece imediatamente na literatura. É preciso esperar um pouco. Devem certamente existir Tolstóis e Flauberts por aí. E têm surgido ótimos ficcionistas em toda parte.

ÉPOCA - Como o senhor analisa a literatura contemporânea?

Eco - Há bons autores medianos na Itália. Nada de genial, mas têm saído livros interessantes de autores bastante promissores. Hoje existe o thriller italiano, com os romances de suspense de Andrea Camilleri e seus discípulos. No entanto, um signo do abalo econômico italiano é que não é mais possível um romancista viver de sua obra literária, como fazia (Alberto) Moravia. Hoje romance virou uma atividade diletante. É diferente do que ocorre nos Estados Unidos, aindaum polo emissor de ótima ficção e da profissionalização dos escritores. Além dos livros de Roth, adorei ler Liberdade, de Jonathan Franzen, um romance de corte clássico e repleto de referências culturais. A França, infelizmente, experimenta uma certa decadência literária, e nada de bom apareceu nos últimos tempos. O mesmo parece se passar com a América Latina. Já vão longe os tempos do realismo fantástico de García Márquez e Jorge Luis Borges. Nada tem vindo de lá que me pareça digno de nota.

ÉPOCA - E a literatura brasileira? Que impressões o senhor tem do Brasil? O país lhe parece mais interessante hoje do que há 30 anos?

Eco - O Brasil é um país incrivelmente dinâmico. Visitei o Brasil há muito tempo, agora acompanho de longe as notícias sobre o país. A primeira vez foi em 1966. Foi quando visitei terreiros de umbanda e candomblé - e mais tarde usei essa experiência em um capítulo de O pêndulo de Foucault para descrever um ritual de candomblé. Quando voltei em 1978, tudo já havia mudado, as cidades já não pareciam as mesmas. Imagino que hoje em dia o Brasil esteja completamente transformado. Não tenho acompanhado nada do que se faz por lá em literatura. Eu era amigo do poeta Haroldo de Campos, um grande erudito e tradutor. Gostaria de voltar, tenho muitos convites, mas agora ando muito ocupado... comigo mesmo.

ÉPOCA - O senhor foi o criador do suspense erudito. O modelo é ainda válido?

Eco - Em O nome da Rosa, consegui juntar erudição e romance de suspense. Inventei o investigador-frade William de Baskerville, baseado em Sherlock Holmes de Conan Dolyle, um bibliotecário cego inspirado em Jorge Luis Borges, e fui muito criticado porque Jorge de Burgos, o personagem, revela-se um vilão. De qualquer forma, o livro foi um sucesso e ajudou a criar um tipo de literatura que vejo com bons olhos Sim, há muita coisa boa sendo feita. Gosto de (Arturo) Pérez-Reverte, com seus livros de fantasia que lembram os romances de aventura de Alexandre Dumas e Emilio Salgari que eu lia quando menino.

ÉPOCA - Lendo seus seguidores, como Dan Brown, o senhor às vezes não se arrepende de ter criado o suspense erudito?

Eco - Às vezes, sim! (risos) O Dan Brown me irrita porque ele parece um personagem inventado por mim. Em vez de ele compreender que as teorias conspiratórias são falsas, Brown as assume como verdadeiras, ficando ao lado do personagem, sem questionar nada. É o que ele faz em O Código DaVinci. É o mesmo contexto de O pêndulo de Foucault. Mas ele parece ter adotado a história para simplificá-la. Isso provoca ondas de mistificação. Há leitores que acreditam em tudo o que Dan Brown escreve - e não posso condená-los.

ÉPOCA - O que vem antes na sua obra, a teoria ou a ficção?

Eco - Não há um caminho único. Eu tanto posso escrever um romance a partir de uma pesquisa ou um ensaio que eu tenha feito. Foi o caso de O pêndulo de Foucault, que nasceu de uma teoria. Baudolino resultou de ideias que elaborei em torno da falsificação. Ou vice-versa. Depois de escrever Ocemitério de Praga, me veio a ideia de elaborar uma teoria, que resultou no livro Costruire il Nemico (Construir o Inimigo, lançado em maio de 2011). E nada impede que uma teoria nascida de uma obra de ficção redunde em outra ficção.

ÉPOCA - Quando escreve, o senhor tem um método ou uma superstição?

Eco - Não tenho nenhum método. Não sou com Alberto Moravia, que acordava às 8h, trabalhava até o meio-dia, almoçava, e depois voltava para a escrivaninha. Escrevo ficção sempre que me dá prazer, sem observar horários e metodologias. Adoro escrever por escrever, em qualquer meio, do lápis ao computador. Quando elaboro textos acadêmicos ou ensaio, preciso me concentrar, mas não o faço por método.

ÉPOCA - Como o senhor analisa a crise econômica italiana? Existe uma crise moral que acompanha o processo de decadência cultural? A Itália vai acabar?

Eco - Não sou economista para responder à pergunta. Não sei por que vocês jornalistas estão sempre fazendo perguntas (risos). Talvez porque eu tenha sido um crítico do governo Silvio Berlusconi nesses anos todos, nos meus artigos de jornal, não é mesmo? Bom, a Itália vive uma crise econômica sem precedentes. Nos anos Berlusconi, desde 2001, os italianos viveram uma fantasia, que conduziu à decadência moral. Os pais sonhavam com que as filhas frequentassem as orgias de Berlusconi para assim se tornarem estrela da televisão. Isso tinha de parar, acho que agora todos se deram conta dos excessos. A Itália continua a existir, apesar de Berlusconi.

ÉPOCA - O senhor está confiante com a junção Merkozy (Nicolas Sarkozy e Angela Merkel) e a ascensão dos tecnocratas, como Mario Monti como primeiro ministro da Itália?

Eco - Se não há outra forma de governar a zona do Euro, o que fazer? Merkel tem o encargo, mas também sofre pressões em seu país, para que deixe de apoiar países em dificuldades. A ascensão de Monti marca a chegada dos tecnocratas ao poder. E de fato é hora de tomar medidas duras e impopulares que só tecnocratas como Monti, que não se preocupa com eleição, podem tomar, como o corte nas aposentadorias e outros privilégios.

ÉPOCA - O que o senhor faz no tempo livre?

Eco - Coleciono livros e ouço música pela internet. Tenho encontrado ótimas rádios virtuais. Estou encantado com uma emissora que só transmite música coral. Eu toco flauta doce (mostra cinco flautas de variados tamanhos), mas não tenho tido tempo para praticar. Gosto de brincar com meus netos, uma menina e um menino.

ÉPOCA - Os 80 anos também são uma ocasião para pensar na cidade natal. Como é sua ligação com Alessandria?

Eco - Não é difícil voltar para lá, porque Alessandria fica a uns 100 quilômetros de Milão. Aliás foi um dos motivos que escolhi morar por aqui: é perto de Bolonha e de Alessandria. Quando volto, sou recebido como uma celebridade. Eu e o chapéu Borsalino, somos produção de Alessandria! Reencontro velhos amigos no clube da cidade, sou homenageado, bato muito papo. Não tenho mais parentes próximos. É sempre emocionante.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Normas ABNT para Trabalho de Conclusão de Curso - 2014

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no país sendo ela a fornecedora de uma base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. Fundada no ano de 1940, essa entidade não tem fins lucrativos, e foi reconhecida como único Foro Nacional de Normalização através da Resolução de nº 07 do CONMETRO, de 24/08/1992. Esta é a representante oficial no Brasil das seguintes entidades internacionais: ISO (International Organization for Standardization), IEC (International Eletrotechnical Comission); e das entidades de normalização regional COPANT (Comissão Panamericana de Normas Técnicas) e a AMN (Associação Mercosul de Normalização).
A normalização dessas normas consiste em dar ordem a determinados contextos, com certos objetivos, sendo eles na Economia (para a redução da crescente variedade de produtos e procedimentos); na Comunicação (para proporcionar meios mais eficientes na troca de informação entre o fabricante e o cliente), na segurança (para proteger a vida humana e a saúde), na proteção do Consumidor (para prover a sociedade de meios eficazes para aferir a qualidade dos produtos) e na Eliminação de Barreiras Técnicas e Comerciais (para evitar a existência de regulamentos conflitantes sobre produtos e serviços em diferentes países).

Sendo assim, a exigência das universidades e faculdades gira em torno dessas normas, como forma de preparo das pessoas com o que é considerada lei de uso em arquivos e documentos com certo valor, para que estes sejam valorizados em meio a uma avaliação. Por isso, em alguns cursos de graduação, é possível e integrar no assunto através da disciplina sobre Métodos e Técnicas de Pesquisa, que em uma parte abrange sobre a importância e o modo de utilização dessas normas, seja em trabalhos, pesquisas cientifica ou em trabalhos de conclusão do curso.


Algumas regras da ABNT inicialmente pela capa de um trabalho, no caso acadêmico, seria ter nome do autor; título; subtítulo (se houver); número de volumes (quando houver mais de um); local da instituição onde será apresentado; ano de entrega. No decorrer de um novo capitulo no trabalho, é necessária a clareza quanto aos títulos, fontes e claro, a quem estará lendo o TCC. Nos textos, as principais são: a introdução deve constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da pesquisa e demais elementos necessários para situar o tema e o desenvolvimento, sendo parte principal, contêm a exposição ordenada e pormenorizada dos assuntos, divide-se em seções e subseções. Varia em função da abordagem do tema e método.

Após a finalização do texto, referências é obrigatório, pois é por parte dela que temos o conhecimento do conjunto padronizado de informações retiradas do material informacional consultado. Outra situação que as normas aparecem é na formatação, para a forma de apresentação do trabalho. Inicialmente o formato parte do papel em branco, A4 (21,0 cm X 29,7 cm), digitados no anverso da folha. Recomenda-se a fonte tamanho 12 para o texto e tamanho 10 para as citações longas e notas de rodapé. A margem deve ser configurada a esquerda e superior de 3,0 cm e direita e inferior de 2,0 cm. Já a regra do espaçamento é de que todo o texto deve ser digitado com 1,5 de entrelinhas. As citações longas, as notas, as referências e os resumos devem ser digitados em espaço simples. Os títulos das seções devem ser separados do texto que os sucede por uma entrelinha dupla ou dois espaços simples. E as notas de rodapé devem ser digitadas dentro da margem, separadas com espaço simples de entrelinhas e um filete de 3,0 cm a partir da margem esquerda.

Em meio a essas poucas regras, surgem outras intercaladas no decorrer do trabalho. São detalhes de extremo valor que valorizam ainda mais o desempenho do individuo acerca de um documento, querendo ou não, de extrema importância.

Para outras informações sobre as Normas de ABNT, acesse o site oficial Abnt.org e aprofunde-se no que deve ser uma praxe, a quem vive e/ou busca viver no convívio dos estudos acadêmicos.

NORMAS ABNT 2014

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é uma entidade responsável por criar regras para a formatação de trabalhos acadêmicos. Desde a década de 40 são desenvolvidas atividades nesse ramo para criar um paradigma que simplifique o entendimento das pesquisas cientificas.

A normatização técnica possui fundamental importância em um país, afinal, se não fossem suas diretrizes os profissionais publicariam seus trabalhos científicos de qualquer forma e isso dificultaria a compreensão dos mesmos. No Brasil, a ABNT procura acompanhar desenvolvimento tecnológico e mantém parceria com outras entidades internacionais de normas técnicas.

Muitas teses de pesquisa ou mesmo dissertações acadêmicas só se tornam válidas no campo de estudos quando são formatadas segundo as regras da ABNT. Em função disso, praticamente todos os cursos de graduação possuem uma matéria destinada aos métodos e técnicas de pesquisa, onde os alunos aprendem como trabalhar com os conhecimentos e colocar em prática as normas técnicas.

Desde que foi criada até então, a ABNT não manteve as mesmas diretrizes quanto a formatação de trabalhos acadêmicos. O órgão foi alterando suas técnicas e dessa forma modificando as formas de elaborar o conteúdo de pesquisas cientificas. A informática foi responsável por inovar as regras da formatação ao longo dos anos.

As normas da ABNT para TCC basicamente propõem uma normatização dos conteúdos, sendo está uma forma mais simples da banca examinadora avaliar a monografia. As regras que atualmente regem a formatação são de 2002 e não houve até agora severas alterações no conteúdo da ABNT.

Para montar um trabalho acadêmico, é necessário se preocupar com cada uma das partes que compõem o conteúdo: capa, folha de rosto, sumário, introdução, desenvolvimento, conclusão e referências bibliográficas. Lembrando que cada etapa do trabalho precisa respeitar as características designadas pela normatização.

As normas ABNT 2014 seguem os mesmos critérios dos anos anteriores, podendo haver uma pequena mudança ou outra que será anunciada pela Associação. As regras de formatação de trabalhos acadêmicos são bem detalhistas e adotam critérios para citações, numeração das páginas, espaçamentos, fonte de letras, entre outros pontos importantes.

Para mais informações, acesse o Portal ABNT.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Regras e normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 2014 para formatação de trabalhos acadêmicos

Todo trabalho acadêmico-científico como: Monografias, Teses, Dissertações, Artigos, Resenhas, TCC's, devem contemplar a adequação as normas da ABNT 2014 (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 2014 sobre:

  • FORMATO;
  • TIPOS E CORPOS;
  • PAGINAÇÃO;
  • MARGENS;
  • ESPACEJAMENTO;
  • PARÁGRAFOS;
  • DIVISÃO DO TEXTO;
  • INDICATIVOS E TÍTULOS DE SEÇÃO;
  • ALÍNEAS;
  • ILUSTRAÇÕES; QUADROS e GRÁFICOS;
  • EQUAÇÕES E FÓRMULAS;
  • NOTAS DE RODAPÉ e EXPLICATIVAS;
  • CITAÇÕES Diretas e Indiretas;
E a própria estrutura do trabalho.

Para que o trabalho científico fique devidamente formatado, a ABNT estabelece as normas abaixo:
NORMA DESCRIÇÃO DOWNLOAD
NBR 10520 / 2002 - Citações
Esta Norma especifica as características exigíveis para apresentação de citaçõesem documentos. 
NBR 14724 / 2011 -Trabalho Acadêmico
Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros), visando sua apresentação à instituição (banca, comissão examinadora de professores, especialistas designados e/ou outros) 
NBR 6022 - Artigos científicos impressos
Informação e documentação - Artigo em publicação periódica científica impressa - Apresentação
NBR 6023 – Informação e documentação -Referências 
Esta Norma estabelece os elementos a serem incluídos em referências. Esta Norma fixa a ordem dos elementos das referências e estabelece convenções para transcrição e apresentação da informação originada do documento e/ou outras fontes de informação. 
NBR 6027 - Sumário 
Esta norma estabelece a apresentação do Sumário 
NBR 6028 - Resumo e Abstract 
Esta norma estabelece a apresentação do RESUMO e do ABSTRACT.

Observações importantes quanto a normalização do trabalho

Estas são as normas ABNT 2012 padrão. Porém, cada instituição costuma estabelecer suas próprias normas, as quais apresentam pequenas variações destas. A orientação é que o acadêmico pesquise no site da instituição para se informar das normas a serem seguidas. Minha orientação pessoal é a de seguir o que o orientador mandar, pois a última palavra é dele.

Quando estiver com o trabalho concluído, você pode também solicitar um orçamento para que a formatação seja feita adequadamente, evitando qualquer imprevisto.

Normalização ABNT 2014

As normas da ABNT são uma só (vide acima), porém, cada instituição (ou mesmo orientador), entende que ter normas próprias é mais apropriado. Coitado do aluno, pois são raras as instituições que disponibilizam suas normas de forma completa, esclarecendo todos os pontos relevantes na formatação.

Desta forma, esclarecerei abaixo alguns pontos bastante comuns entre elas, ficando a recomendação que, para ter certeza de estar fazendo da forma correta, submeta em última instância ao orientador, a última palavra é dele (e torça para ele se responsabilizar por ela):

ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO

Todo trabalho científico conta basicamente com esta estrutura fundamental:

ESTRUTURA ELEMENTO OPÇÃO PARTE EXTERNA PRÉ- TEXTUAIS 
Capa Obrigatório
Lombada Opcional

PARTE INTERNA PRÉ- TEXTUAIS 
Folha de rosto Obrigatório
Errata Opcional
Folha de aprovação Obrigatório
Dedicatória(s) Opcional
Agradecimentos Opcional
Epígrafe Opcional
Resumo na língua vernácula Obrigatório
Resumo em língua estrangeira Obrigatório
Lista de ilustrações Opcional
Lista de tabelas Opcional
Lista de abreviaturas e siglas Opcional
Lista de símbolos Opcional
Sumário Obrigatório

TEXTUAIS 
Introdução Obrigatório
Desenvolvimento Obrigatório
Conclusão Obrigatório

PÓS- TEXTUAIS
Referências Obrigatório
Glossário Opcional
Apêndice(s) Opcional
Anexo(s) Opcional
Índice(s) Opcional

Esta é a estrutura da ABNT para trabalhos acadêmicos normalmente solicitadas pelas Instituições de Ensino


Estes são os espaçamentos e margens padrões


Formato: este é outro aspecto fundamental e que deve ser seguido ao longo de todo o trabalho

Оs textos devem ser digitados оu dаtilоgrаfаdоs em cor pretа, pоdendо utilizar оutrаs cоres sоmente pаrа аs ilustrações. Se impressо, utilizar papel branco оu reciclаdо, nо formato A4 (21 cm x 29,7 cm). Оs elementos pré-textuаis devem iniciаr nо аnversо dа folha, cоm exceçãо dоs dados internаciоnаis de cаtаlоgаçãо-nа-publicаçãо (Ficha catalográfica) que devem vir nо versо dа folha de rosto. Recоmendа-se que оs elementos textuais e pós-textuais sejаm digitados оu dаtilоgrаfаdоs nо аnversо e versо dаs folhas.

О projeto gráficо é de responsabilidade dо autor dо trabalho. Recоmendа-se, quаndо digitado, а fonte tаmаnhо 12 pаrа tоdо о trabalho, inclusive capa, excetuаndо se citações cоm mаis de três linhas, notas de rodapé, pаginаçãо, dаdоs internаciоnаis de cаtаlоgаçãо-nа-publicаçãо (Ficha catalográfica), legendаs e fontes dаs ilustrações e dаs tabelas, que devem ser em tamanho menоr e unifоrme. Nо cаsо de citações de mаis de três linhаs, deve-se observar tаmbém um recuo de 4 cm dа margem esquerdа.
Margem

Аs margens devem ser: pаrа о аnversо, esquerda e superior de 3 cm e direita e inferior de 2 cm; pаrа о verso, direita e superior de 3 cm e esquerda e inferior de 2 cm.

Espacejamento

Tоdо о texto deve ser digitado оu dаtilоgrаfаdо cоm espaço 1,5, excetuаndо-se аs citações de mаis de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas dаs ilustrações e dаs tabelas, fichа cаtаlоgráficа, nаturezа dо trabalho, objetivo, nоme dа instituição а que é submetidа e área de cоncentrаçãо, que devem ser digitados em espaço simples. Аs referências, ао finаl dо trabalho, devem ser sepаrаdаs entre si pоr um espaço simples em brаncо. Оs títulos dаs seções devem cоmeçаr nа pаrte superiоr da folha e ser sepаrаdоs do texto que оs sucede pоr dois espaços 1,5, entrelinhas. Dа mesmа fоrmа, оs títulos dаs subseções devem ser separados dо texto que оs precede e que оs sucede pоr dois espaços 1,5.

Nа folha de rosto e nа folha de aprovação, а nаturezа dо trabalho, о objetivo, о nome dа instituição а que é submetido e а área de cоncentrаçãо devem ser аlinhаdоs dо meiо dа folha pаrа а margem direita.


Estas são as regras da ABNT 2012 mais utilizadas na formatação da ABNT. O ideal é sempre consultar o site da instituição e confrontar com as regras da ABNT 2014 padrão. A útima palavra é sempre do ORIENTADOR.

Fonte: Adaptado de TRABALHOS ABNT. Disponível em: http://www.trabalhosabnt.com/regras-normas-abnt-formatacao